Facebook
Twitter
YouTube
Instagram
SoundCloud
Flickr

Maria do Rosário alerta para privatizações no projeto de renegociação da dívida

Maria do Rosário alerta para privatizações no projeto de renegociação da dívida

Em resposta a seu pedido, Ministério da Fazenda diz que RS deve autorizar venda de estatais   

 

A deputada federal Maria do Rosário (PT) fez um alerta nesta terça-feira (4) sobre as condicionantes impostas pela União para renegociar a dívida com o Estado do Rio Grande do Sul, o que poderá acarretar na privatização ou federalização do Banrisul, CEEE e Corsan, entre outras estatais. “A sociedade precisa saber que tipo de negociação está sendo feita em seu nome e que destino terão as empresas públicas que foram construídas por gerações de gaúchos e gaúchas”, destacou.

 

Em resposta a um pedido de informações [anexos], o Ministério da Fazenda afirmou que a renegociação das dívidas no âmbito do regime de recuperação fiscal deverá ocorrer em conformidade com o projeto de lei 343/17, que instituirá esse regime. No texto do governo federal, que será votado na Câmara, é dito que “os estados que aderirem a renegociação deverão autorizar a privatização de empresas dos setores financeiros, de energia e de saneamento […]”.

 

Segundo Rosário, esta contrapartida “é um disparate com o Rio Grande, pois coloca em risco o maior banco de fomento da atividade primária e da indústria do Estado, além de privatizar a luz e a água, serviços públicos essenciais que não podem ficar dependentes de interesses empresariais privados que visam apenas o lucro em detrimento do interesse público”.

 

O projeto do governo Temer estabelece ainda que o Estado deverá elevar a alíquota da previdência social para os servidores públicos ativos, inativos e pensionistas para, no mínimo, 14%, e ainda instituir uma alíquota extraordinária e temporária.

 

“As condicionantes para renegociação interferem na autonomia do Estado, ferindo o pacto federativo. Falamos de um projeto flagrantemente inconstitucional. Todos sabemos das dificuldades do Rio Grande do Sul, mas esse remédio amargo imposto pelo governo federal pode matar o paciente e afetará muitas gerações”, afirmou Rosário, defendendo um encontro de contas baseado na Lei Kandir, onde o RS é credor de R$ 40 bilhões. “Trata-se de uma questão de justiça. Não à rendição. Não à intervenção branca do governo federal”, disse.

Sem comentários Comments

Deixe um comentário

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial